FORA DA REALIDADE

"A maior das ilusões chama-se realidade."

Paul Gibier

Capítulo 218

Ambos cessam a conversa.

Longos minutos se passam antes que a reiniciem.

Ele dirige o carro, de olhar fixo na pista asfaltada.

Neste momento Gillian fica atordoada.

Mulder reduz a velocidade.

Os dois vêem o limpa vidros do para-brisa funcionando em seu ritmo incessante, retirando de sobre a sua superfície a gélida chuva que começara a cair e que lhes embaça a visão.

Ela abraça com força o próprio corpo.

Agora ele volta para ela o olhar, enquanto param num sinal de trânsito.

Gillian permanece muda. Sente-se quase em pânico. Por alguns segundos pensa estar em outra dimensão.

Ele dá uma risada.

É ela, agora então, que toca no peito dele, com as pontas dos dedos. Sente-lhe também no queixo os discretos tocos de barba aparecendo sob a pele morena.

Ela recosta-se bem rente ao banco do carro, aparentando extremo nervosismo.

Ele aperta um botão no painel.

Gillian nota que um vidro estrategicamente instalado, está subindo e cobrindo o outro já ali existente.

Mulder, neste momento, está parando o carro em mais um sinal fechado.

Aproxima o corpo do dela. Está falando bem próximo ao seu rosto.

Ela entreabre os lábios, vendo que ele lhe procura a boca.

E o beijo trocado eleva-os aos píncaros do prazer. As línguas se tocando, procurando uma a outra, a saliva passando de uma para outra boca, os sentidos chegando ao máximo da excitação, as carnes vibrando pela sensualidade dessa aproximação.

Mulder afasta-se de Gillian. Aperta os olhos, surpreso com a frase dela.

E a linda Gillian, como se estivesse postada numa nuvem, como uma etérea figura, vai dispersando-se de sua visão.

Ele abre os olhos. Tudo escuro ao seu redor. Mas está deitado. Em uma cama de casal. Estende um braço para o lado. Sente que está tocando em alguém. Sim! A sua Scully.

Ele senta-se na cama. Distende os lábios, num sorriso.

"Que engraçado! - pensa - Esse sonho que tive foi bem divertido e ..."

Dana move-se no seu lugar.

Ela o olha, sonolenta, despertando.

Dana agarra-se a ele, puxando-o para bem junto de si, com paixão.

"As mulheres, como os sonhos,

não são nunca como imaginamos."

Pirandello